terça-feira, 25 de agosto de 2015

Preparo

Achei: 
Você que já se relaciona com alguém (seja somente nos fins de semana ou espaçadamente durante ela) e pensa, acredita ou quer continuar neste convívio pra sempre. Pense.
Se você não vê a hora de ficar sozinho para, finalmente!, poder conversar com seus amigos, seus grupos de conversa, ou com alguém em particular pelo celular. Repense: ainda não é hora.
Se você ainda tem dúvidas quanto a alguém do passado e do seu possível futuro, se acha a ideia de uma só pessoa no mundo inteiro, pro resto da vida, difícil de lidar, pare! Pare e volte sem dúvidas.
Se você acredita que vai não terá que dar explicações, ou satisfações, pense bem. Já não são seus pais que estarão com você, mas sim uma pessoa com a qual decidiu fazer as compras do supermercado juntos, que vai cuidar de você quando a gripe aparecer, ou que vai aturar o mal-humor num dia difícil... então sim. Essas informações são fundamentais, e é bom que queira das elas.
Se você acha que pode levar a vida de solteiro/a que antes tinha: de baladas, festas, flertes... Aviso: a não ser que seu companheiro/a não se importe, são coisas que deverão deixar de existir. Então, pense mais um dia inteiro.
Dividir a vida é muito mais que se enfiar numa casa e assim ir levando como dá, quando dá...
É exposição. Você fica nu e não falo só no sentido metafórico. O parceiro/a conhece seu corpo da forma mais crua que existe, sem, muitas vezes, o preparo que antes tinha quando se viam de vez em quando. Os pelos do corpo crescem, você acorda com mau-hálito, nem sempre acorda com bom humor, nem sempre tem disposição para cozinhar, para conversar, para fazer sexo. Você será você como nunca foi.
Você saiu da casa dos pais que lhe deram o lar, que cuidaram, deram o conforto e tudo que o melhor deles podia dar e, por mais que às vezes não fosse como queria, são seus pais e sendo gordo ou magro, alto ou baixo, bonito ou feio, com ou sem espinha na testa, lhe aceitam do jeito que é e não enjoarão de você.
Dividir tem como sinônimos partilhar, compartir, compartilhar...
Você compartilha os dias - todos eles, bons ou ruins, as conquistas, as derrotas, erros e acertos, decisões, medos... E no, fim, se é isso mesmo, nada disso será visto e vivido com penosidade, com lamento, ou um fardo obrigado.
Será vivido e divido com alguém que aceitou dar a mão para seguir juntos, o ombro para se apoiar quando o outro fraquejar, que compartilhou a mesma ideia, que aceitou os defeitos e que também quis melhorar.
Se a ideia de ser humano diariamente com outro assusta, espere. Tenha calma. 
Ainda não é tempo pra você.


    

0 comentários: