domingo, 12 de abril de 2015

Dia de chuva

Achei: 
Ela olhou pra ele, e olhou durante alguns minutos enquanto ele falava. Olhou nos olhos, e alternava entre o olho direito e o esquerdo. Seu peito apertava. Ela não queria dizer adeus...
Ela pensou que poucas coisas em sua vida tinham lhe magoado tanto. Como se sua  própria existência agora lhe entristecesse. Olhou para o céu e pediu...
Pediu que aquele espinho no peito sumisse, e as dúvidas o acompanhassem. O coração havia se partido em pedaços incontáveis e a culpa talvez fosse sua. Talvez
Ainda não era o momento de acreditar no que estava se desfazendo. Viu seus sonhos sumindo dentro na névoa espessa e chorou como um recém nascido.

Desejou não amar tanto.
Desejou um vira-tempo.
Desejou deixar pra lá.
Desejou que não fosse tão difícil.


"Seria diferente, se pudéssemos ter outra chance." -  O brilho eterno de uma mente sem lembranças.

1 comentários:

Tatsuo disse...

alguns de seus textos são bem interessantes... mas passam a imagem que quem os escreve quer emocionar o leitor... ou então, se quem escreveu, colocou no texto como se sente, passa imagem de um "vazio"... alguém que já sofreu ou sofre por falta de compreensão ou não recebe atenção suficiente(basicamente, não recebe o tanto que gostaria de receber)... não sei se os seus textos se resumem somente ao que falei, coisa que acredito que não seja o caso, suas ideias podem ser como um sonho, aleatório, pode ser que não pense muito pra escreve, simplesmente escreve, mas gosto de muitos dos textos que já vi aqui, é uma boa escritora, embora alguns de seus textos sejam extremamente levados para um lado de apelação emocional para quem vai ler...