quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Ano Novo

Achei: 
Mais um ano que vai. A tradição pede que eu recapitule os acontecimentos, faça uma auto-análise, busque melhorias e estabeleça novas metas. Assim será.

O ano sempre inicia bem: com meu coração cheio de expectativas.

No trabalho foi muito bom, como tem sido desde o início. Ganhei alunos admiradores, fui escolhida como professora conselheira e pude sentir o carinho que eles tinham por mim como um dia eu tive por meus mestres. Sei que fiz, e sempre foi minha pretensão fazer, minha parte como professora/educadora e como cidadã que preza bons valores. Escutar "Sentiremos saudades!" e receber abraços dos muitos alunos é recompensador. O que me faz pensar que ainda não estou onde quero, mas que estou indo bem...

A vida reservada, vou chamar assim, foi um tanto mais atribulada. Ter a mãe passando por uma recuperação complicada, lenta e que parecia interminável foi o mais difícil que enfrentei neste ano. Por várias vezes vi o medo da morte nos olhos dela. E eu, por muitas vezes, engoli o chôro do medo de perdê-la. Com muitas noites mal dormidas, o estresse, a fome, o medo, ainda sim, alguém tinha que parecer forte. E nesses complicados meses eu aceitei que há momentos em que precisamos deixar algumas coisas para trás, ainda que importantes.

No mais, também aprendi que relacionamentos sempre requererão cuidado e que o medo não existe mais. Cada um faz sua parte, dá o melhor de sí e se, um dia, o "pior" acontecer... bem, não existe garantias de "pra sempre", não é?

Foi um ano que me trouxe tristezas, foi sim. Deixei de fazer muitas coisas. Tempo. A falta dele.

Queria ter lido mais! Tantas histórias que deixei pra lá porque a vida exigiu realidade...

Sei que vou chorar nas últimas semanas do ano, no último dia... sei porque, principalmente, mais uma vez terei meu sonho (o maior deles, arrisco) postergado. E se vocês já adiaram impositivamente um sonho sabem o que estou sentindo.

Mas, como sou uma pessoa esperançosa e sonhadora, eu acredito que terei tempo necessário para apontar lá pro alto, pra fé, e continuar a remar.

Para 2015, obviamente, tenho planos. Muitos! Às pencas! Está tudo anotado.

Alguns:
Pretendo retomar minha antiga paixão e rotina de ler. Aquela leitura prazerosa, sabe? E continuar escrevendo, mais ainda. Ah, vem blog novo por aí, já deixo avisado.
E-MA-GRE-CER (não entrarei em detalhes deste assunto tão delicado...)
Tenho que cuidar dos joelhos. Quero aprender a tocar violão (puramente para as aulas de espanhol), e talvez aprender um pouquinho de russo. Sim! Vocês ficariam surpresos de saber como os russos visitam meu blog. (Talvez procurando por uma brasileira gostosa e safada. Mas mal eles sabem que eu escrevo também!)

Vamos 2015, pode vir, nunca estive tão preparada.

Um lindo natal a todos e um ano novo pra sambar na cara da sociedade!