sábado, 13 de setembro de 2014

O outro

Achei: 
Ela sempre ligava. O início foi tímido, mas depois começou a ficar mais a vontade pra falar...
"Me chama de gostosa, pode usar um pouco a força, mas nada que vá me deixar roxa. E mostre um olhar de desejo, como se o tesão fosse explodir das suas calças a qualquer momento. E me beija, beija lento, com vontade..." Essas foram as exigências dela.
Ricardo se preparava para mais um encontro.
Gostava daquilo de ser o outro. De ser o que um alguém não estava sendo.
Gostava de receber os carinhos. Gostava da transa gostosa nas quintas-feiras. Não via nenhuma dificuldade. Foi muito fácil na verdade. Fazer sexo com mulher já comprometida era gostoso demais. Ela vinha carente e cheia de tesão acumulado, reclamando do marido, dizendo o quanto se esforçava no trabalho, na casa, com lingerie sexy e até deixando a cerveja dele gelar, mas que ele não dava o retorno e, quem sabe, já até tinha uma amante. Ela ficava se sentindo culpada no início, mas foi fácil deixá-la bem a vontade convencendo-a, sussurrando no ouvido um "Seu marido e um babaca! Como ele não percebe a mulher que tem o lado...".  E lhe dizia que ele merecia, que lhe estava dando motivos. O beijo era ardente, línguas que brincavam, brigavam e se queriam.
A resposta saia dela. Um líquido morno.... e logo ela deixou o remorso pra la.
Foi com a promessa de um retorno. E eu sei que ela volta.