terça-feira, 19 de novembro de 2013

Troca de cartas

Achei: 
De: uma amiga
Para: a outra

Querida amiga, escrevo para lhe atualizar sobre o que me aconteceu nesses últimos meses...
Começando com notícias boas, recebi duas propostas de emprego, ambos na área que tanto desejo. Uma é aqui mesmo, a outra é para outra cidade. Cidade fria. É provável que a aceite, novos ares me farão bem...
O que me leva a dizer que ando pensando em voltar a morar com meus pais. Isso porque quase morri engasgada com uma azeitona. Foi terrível! Ao mesmo tempo pensei em como deve ser triste morrer sozinha...
Isso talvez a leve a perguntar “Mas você não ia casar?!”, pois é, eu ia. Do verbo “Ele me deixou porque tinha planos e, pasme, eu não fazia parte deles.” É...

Anteontem passei pela frente de uma dessas lojinhas de artigos eróticos e resolvi entrar. Saí de lá com um vibrador. O que uma coisa tem a ver com a outra? Não sei. Só decidi ter mais orgasmos.

Vamos?

Achei: 
Depois de botar todas lembranças num saco preto e dar um nó bem firme, fui até a varanda e sentei-me no chão frio. Começou a chover. Olhava para as gotas, procurando Deus, e perguntando como alguém que faz tudo certo, que dispõe o amor para a felicidade de outrem, pode ser punido com a solidão? Quem inverteu as coisas? Porque trocaram os valores e desvalorizam cada vez mais quem olha em teus olhos, segura sua mão e diz “Vem comigo? Vamos ser felizes?”


Parou de chover. Mas o sol não apareceu.