quarta-feira, 12 de junho de 2013

Compreensão

Achei: 
Acho que o suicídio é um ato extremo de fraqueza. Creio sim, que existem maneiras de se superar dores e traumas, por mais violentos que sejam. Sempre há saída. Claro que nem sempre a saída que se quer, ou é simples e fácil. Mas há.
No entanto, recentemente, consegui compreender de onde surge a vontade de não viver mais.
É irracional, angustiante. Você deita no piso morno de madeira e tenta entender o porquê te machucaram, o porquê de tanta vontade de magoar.
Quase ninguém pensa no que diz. Pensar, aqui, no sentido de refletir o que vai dizer e se isso vai, e o quanto vai, agredir alguém.
E palavras ferem tanto...
Ferem, principalmente, quando saem da boca de quem você mais ama, e que acaba de demonstrar, através de um grande gesto, esse amor.
Não. Suicídio não é a solução. Mas compreendo.
segunda-feira, 10 de junho de 2013

Hoje e amanhã

Achei: 
É um medo estúpido e ao mesmo tempo uma vontade louca de ser feliz...
segunda-feira, 3 de junho de 2013

Infinito

Achei: 

"O cheiro da tua pele está grudado em mim agora..."
E agora?
Já posso chorar com medo?
Já o fiz.
Cheiro que contamina, quase um veneno. Impregnando.
Já corre em minhas veias e eu busco uma cura.
E ele tem cor de vida...
E nada é para sempre.
E, às vezes, esquecemos que aquilo que começa sempre acaba.