domingo, 2 de setembro de 2012

Pequena amêndoa

Achei: 

Foi um dia diferente...

O vento batia tão forte em meu corpo que pensei que sairia voando.

Uma menina linda, que deveria ter cinco ou seis anos, no máximo, com cabelos que caiam nos olhos e um olhar sonhador, se aproximava. Segurava um enorme jambo e procurava algo na grama...

Ela me viu.

Sorriu e mostrou que lhe faltavam dois dentes. Aquilo me trouxe um sorriso aos lábios e ela se aproximou. “Oi!” disse ela com uma voz fina.
“Oi.” Respondi. Ela divagou, mordeu o jambo. “Você mora aqui?”
Respondi que sim, mas que morava longe. Ela, então, sentou ao meu lado, pouco distante, e olhava a mordida que dera no jambo.
Perguntei onde estavam seus pais. “Estão por ali... estavam brigando e sai para passear.” Fiquei com pena, sei o que é presenciar briga entre nossos pais.
“O que você faz?” soltou de repente.
“Sou professora.” Menti.
“Sério?! Onde você trabalha?”
“Ainda não trabalho...” Como explicar a ela que sou algo e nem vivo isso?
“Ammm...” Ela pensou.
“E você, em que série está?” Mas ela não respondeu. “O que foi? Você está bem?” perguntei preocupada.
“Você mentiu. Está mentindo...” Fiquei calada, não era uma pergunta. É péssimo mentir para crianças. Primeiro por estar mentindo para um ser inocente, ainda livre de maldades, segundo porque quando elas sentem que estão sendo enganadas perguntam tanto, que fica difícil contornar a trapaça.
“Você está feliz?” Ela perguntou. E ao olhá-la percebi que me observava.
“Como assim?! Sou...estou feliz.” Acho que não a convenci.
Ela começou a chorar silenciosamente. “Não minta pra mim...” disse baixinho, era um doce pedido. Aquilo me deixou desesperada, partiu meu coração.

Aproximei-me dela, segurei seu rosto e enxuguei suas lágrimas, e percebi algo assustador: eu a conhecia! Fiquei estática, olhando aqueles olhos amendoados até ela me dizer:

“Não minta para mim. Sou a pessoa que mais conhece você. Sei seus medos, sei o porquê de estar sofrendo e sei o que precisa para parar de sofrer.
O que está fazendo de sua vida?! Porque não a vive? Porque não consegue?
Um dia, vou cansar de ver você chorar, chorar e chorar todas as noites no escuro. De ouvir seus pedidos. Um dia a tristeza vai tomar conta de você e seus olhos perderão o brilho, definitivamente.”

Colocou o jambo em uma de minhas mãos...
Estava recebendo conselhos de uma menina descalça, sem dois dentes, com rosto inocente, cabelos curtos, franja mal cortada e olhos ainda sonhadores, com brilho.

Ela era eu.

Finalmente saí voando.

1 comentários:

Rodrigo Aguiar disse...

Curti demais esse texto :)