terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Dia de Faxina

Achei: 

Olha... Fazer faxina na sua casa é uma coisa extremamente revigorante, que certamente irá te trazer, mais que uma sensação, uma constatação de limpeza.

Pra quem mora em um lugar pequeno, que nem eu, sofre menos com o cansaço, perde menos calorias também, mas se ela for bem feita, você irá dormir mais leve, literalmente.
Algo indispensável: música. Selecione aquelas músicas agitadas que te fazem remexer o quadril enquanto varre, espana, lustra, e encera e que usa, certas vezes, o vidro de álcool como microfone naquele agudo da Lady Gaga... 

Lembre-se de tomar café, pois não tomando, corre o sério risco de ter umas tonturas quando abaixa pra espremer o pano de chão e se levanta rápido. Depois ponha aquela roupa mais fulerinha que tem no armário, e não vista calçinha, é uma a menos pra você lavar ao final. Aí é só ligar o som, arregaçar as mangas e mandar brasa na limpeza. Quando vê, já se foi a entrada, sala, cozinha, banheiro, quartos e por fim, área de serviço (incluindo aí, lavar as roupas já postas com antecedência de molho no sabão em pó). Quando está tudo limpo, e a faxina for daquelas ‘federais’, é hora de revirar gavetas e armários atrás de coisas que você já não usa, ou não quer mais, ou no caso da dispensa e geladeira, já passaram da validade. É impressionante a quantidade de parafernália e papel velho que, há dois anos, você acreditava piamente que iria usar, que seria necessário. Bem, eu digo, o que não é necessário, logo, é desnecessário. E isso vale, pra cartas velhas, anotações suicidas, declarações toscas, e recados nunca dados. 
 
Depois de se livrar de tudo isso, amiga, ou amigo, você se sente, literalmente, mais leve. Da faxina feita que te consumiu o físico, e de ter jogado tanta baboseira que, no passado, te consumia até o último fio de cabelo.

Como digo, nada como uma faxina...
sábado, 11 de dezembro de 2010

Motivo a mais

Achei: 

Eu sou uma pessoa que acredita completamente em destino.

As coisas que me acontecem, são mais do que coincidências e eu fico espantada.

Recentemente estava, como na maioria das vezes, em dúvida sobre como prosseguir e proceder em relação a certos fatos. À certas pessoas. Fui me decidindo e fui resolvendo as pendências. E isso traz um alívio gigantesco, e você dorme mais tranquilo. Mas então para meu eterno desespero, há uma pendência que nunca tive coragem de resolver... Por quê? Bem... É aquela que mexe profundamente com os músculos cardíacos.

Complicação, sou meio fraca pra isso.

Porém, acontecimentos e saberes recentes, deram um empurrão para a tomada de decisão. E como diria uma cara aí: “A tomada de decisão é a mais importante para mudar sua vida.”, de fato meu caro... de fato.

Então reuni a coragem que andava se esquivando dentro de mim, e tomei a decisão de me fazer feliz. É... e pelo caminho que ia, só dor e desgosto iam ser acrescentados e isso, certamente, não me faria feliz.

Agora, aproveito uma fase maravilhosa... há carinho, há galanteios, amor talvez, mas há, principalmente, quem esteja me fazendo feliz.

É isso o que realmente importa.